Mudanças Ambientais: As mudanças ambientais representam um dos maiores desafios para a humanidade no século XXI. Atualmente, esforços globais já vêm ocorrendo visando minimizar os efeitos do acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera, principalmente através da redução ou neutralização de emissões.

  • Inventário de Gases de Efeito Estufa:

Consiste na identificação, classificação e mensuração das fontes de emissão e remoção de gases de efeito estufa por uma determinada organização, sendo realizado de acordo com normas internacionalmente reconhecidas como GHG Protocol e ISO 14064.

Trata-se, portanto, de um primeiro passo para a organização caminhar na direção de uma nova economia de baixo carbono. Tal ação também demonstra a responsabilidade da empresa com a resolução de problemas que afligem a sociedade como um todo e torna transparente e público seu compromisso.

  • Compensação de Carbono:

Tem como objetivo a compensação das emissões de gases de efeito estufa através do plantio de árvores de espécies nativas, ou exóticas sem fins energéticos, exercitando a responsabilidade socioambiental de atividades corporativas.

A lógica é a seguinte: nós calculamos a quantidade de CO² emitida nas atividades diárias a nível corporativo e estimamos quantas árvores serão necessárias plantar para neutralizar esse valor. Sim, dá pra calcular isso.
Pode-se neutralizar a fabricação de um determinado produto, a prestação de todo tipo de serviços, processos de vendas, funcionamento de instalações industriais, escritórios ou núcleos operacionais. Há possibilidade de se neutralizar viagens ou a locomoção de executivos e funcionários, canais de distribuição, atividades de comunicação, promoção e eventos, próprios ou patrocinados.

Benefícios:

A compreensão dos processos e a melhoria dos mesmos na indústria conduzem ao desempenho superior;

Gerenciar as emissões de GEE pode garantir a sustentabilidade dos negócios e a melhoria da eficiência;

Exposição da atitude da empresa em relação aos GEE e diante dos emergentes regulamentos sobre o tema em comparação aos seus concorrentes;

Participação em programas voluntários e transparência na comunicação do desempenho ambiental;

Acesso a programas de financiamento abertos a empresas com ações comprovadas no âmbito da sustentabilidade ambiental (ex. BNDES);

Possibilita a argumentação positiva dos programas ambientais desenvolvidos pela empresa e como estes beneficiam tanto os clientes empresariais quanto os consumidores finais;

Adoção de medidas voluntárias de melhoria em seus processos;

Vanguarda frente aos avanços da legislação ou regulamentos programáticos eventualmente adotados no futuro.